Dia do Candango é comemorado, pela primeira vez, neste sábado no Distrito Federal

Em 12 de Setembro de 2020 – Redação com Informações G1

Data homenageia trabalhadores que participaram da construção de Brasília. Termo também deu origem ao nome da Candangolândia, uma das regiões da capital.

O termo "candango" surgiu em um restaurante da Candangolândia, onde operários que trabalhavam na construção de Brasília comiam — Foto: Reprodução TV Globo
O termo “candango” surgiu em um restaurante da Candangolândia, onde operários que trabalhavam na construção de Brasília comiam — Foto: Reprodução TV Globo

No aniversário do ex-presidente da República Juscelino Kubitschek, o Distrito Federal comemora, pela primeira vez, o Dia do Candango. Estabelecida este ano por meio de uma lei idealizada pelo distrital Fernando Fernandes (Pros), a data é celebrada neste sábado (12) e homenageia os trabalhadores que participaram da construção de Brasília.

Candangos são pessoas que vieram de outras unidades da Federação para tirar do papel o sonho da nova capital. Ao G1, Adirson Vasconcelos, historiador do Instituto Histórico e Geográfico Brasileiro e autor de mais de 60 livros sobre Brasília, explica que o termo “candango” surgiu em um restaurante, na região que, hoje, é a Candangolândia.

“Existia esse restaurante, no tempo da construção [de Brasília], que foi erguido para atender a demanda de chegada de operários. Um dos diretores, o Manoel Brandão, esteve na África e conheceu a tribo dos candangos. Quando voltou, em 1957, notou a semelhança deles com os trabalhadores e decidiu chamá-los dessa forma, para valorizá-los”, explicou.

Veja como foi a construção de Brasília

De acordo com o historiador, os candangos também são considerados pioneiros – pessoas que chegaram à capital, antes ou pouco tempo depois da inauguração. “O primeiro termo é atribuído ao homem da obra, o trabalhador braçal. Marceneiros e pedreiros eram chamados assim”, lembrou.

Adirson afirma que, durante a construção de Brasília, cerca de 50 mil candangos viviam na região. “Todos moravam em galpões de madeira, montados em acampamentos espalhados em diversos pontos”, disse.

O historiador ainda comentou que JK, presidente à época, tinha uma relação direta com os operários. “Ele dizia para os trabalhadores que contava com eles para que a capital fosse inaugurada até 1960”, frisou.

Comoção

Presidente da Associação dos Candangos Pioneiros de Brasília, o advogado Jorge Sarkis, 65 anos, chegou ao Distrito Federal com 5 anos. Filho do candango José Paulo Sarkis, 89, ele conta, com orgulho, a história do pai, um dos trabalhadores que ajudaram na construção da nova capital.

“Meu pai chegou em 4 de março de 1957. Ele trabalhava como eletricista em Uberlândia (MG), mas tinha ido à Goiânia (GO), quando decidiu vir à Brasília. Ao pisar na capital, a primeira coisa que ele fez foi procurar emprego”, comentou.

Família do candango José Paulo Sarkis, 89 anos — Foto: Arquivo pessoal
Família do candango José Paulo Sarkis, 89 anos — Foto: Arquivo pessoal

Jorge detalha que o pai procurou trabalho nas obras do Palácio da Alvorada e de um estabelecimento, porém, foi recusado em ambos. “Ele conseguiu trabalho no primeiro hotel de Brasília. Porém, ele precisou trocar o serviço de instalação elétrica por hospedagem, que era improvisada no corredor entre os quartos, já que não havia mais vagas”, comentou.

Depois de conseguir o primeiro emprego na capital, José Paulo ficou conhecido pelo trabalho e começou a fazer contatos, até ter a ideia de que poderia se tornar um comerciante. “Meu pai inaugurou a primeira loja de material elétrico de Brasília. Em seguida, em 20 de abril 1957, chegamos minha mãe, minhas duas irmãs mais velhas e eu, com 5 anos”, disse.

Segundo Jorge, a comemoração do Dia do Candango é importante, porque lembra uma parte essencial da construção.

“Brasília sempre foi uma representação de todos estados do Brasil. A gente saia para ver as luzes e ia a pé para a Esplanada dos Ministérios, à noite. Uma cidade de mensagem importante”, destacou.

Pioneiros - Candangos chegando para a celebração da primeira missa em Brasília, em 1957 — Foto: Arquivo Público do Distrito Federal
Pioneiros – Candangos chegando para a celebração da primeira missa em Brasília, em 1957 — Foto: Arquivo Público do Distrito Federal

Homenagem

Na Praça dos Três Poderes, no centro de Brasília, há um monumento que se tornou uma homenagem aos candangos. Elaborada em 1959, a escultura Os Guerreiros, criada pelo artista Bruno Giorgi, é um dos símbolos do Distrito Federal.https://tpc.googlesyndication.com/safeframe/1-0-37/html/container.html

Apesar do nome, a obra é popularmente conhecida como Os Candangos. A estrutura é feita de bronze e mostra duas pessoas se abraçando.

Monumento dois candangos, na Praça dos Três Poderes, em Brasília  — Foto: Toninho Tavares/Agência Brasília
Monumento dois candangos, na Praça dos Três Poderes, em Brasília — Foto: Toninho Tavares/Agência Brasília

Ideia

Em 16 de julho, o governador Ibaneis Rocha (MDB) sancionou a lei que estabelece o Dia do Candango. A norma foi publicada no Diário Oficial do Distrito Federal (DODF) e será comemorada, pela primeira vez, em 2020.

De acordo com o deputado Fernando Fernandes (Pros), a ideia surgiu antes dele assumir o mandato na Câmara Legislativa do DF (CLDF), em 2018. “Meu pai, assim como outros tantos nordestinos, que vieram trabalhar na construção de Brasília, sempre reclamavam da falta de uma homenagem para aqueles que colocaram a mão na massa”, aponte.

O parlamentar explica que escolheu a data justamento pelo aniversário de JK, “o primeiro candango”.

O ex-presidente Juscelino Kubitschek e Lucio Costa visitando terreno onde seria Brasília — Foto: Arquivo Público do Distrito Federal
O ex-presidente Juscelino Kubitschek e Lucio Costa visitando terreno onde seria Brasília — Foto: Arquivo Público do Distrito Federal

Assista abaixo vídeos da construção da nossa capital:

Vídeo YouTube
Vídeo YouTube